Nunca encontrei ninguém completamente incapaz de aprender a desenhar.

John Ruskin, intelectual inglês do século XIX


Pensamos que o Diário Gráfico melhora a nossa observação, faz-nos desenhar mais e o compromisso de colaborar num blogue ainda mais acentua esse facto. A única condição para colaborar neste blogue é usar como suporte um caderno, bloco ou objecto semelhante: o Diário Gráfico.

segunda-feira, 23 de outubro de 2017

Mosteiros | São Miguel

Sempre que os rapazes querem ir à pesca, eu aproveito para acompanhá-los, assim sou eu quem espera e ficamos «quites». 

(Aguarela, grafite, caneta caligráfica, carimbo e lápis de cor)                                                                                                              «in situ»

domingo, 22 de outubro de 2017

Sr. Silva

Apanhei o meu sogro à mesa na soneca do costume depois do almoço... aquele vinho que ele faz dá muito sono.


Quarto em NY

Bon voyage

Vamos desenhar com a Marilisa Mesquita


Ontem foi a vez da Marilisa nos contar a sua história com o desenho no Museu do Carmo e no final emprestou-nos os seus carimbos para enchermos os nossos cadernos à vontade.


Desenhar com Marilisa Mesquita

Depois de quase um mês sem tocar em aguarelas, andei pelo museu do Carmo indeciso com os carimbos, claro que optei logo por um enquadramento difícil e entre conversas e turistas admirados fui fingindo que estava a fazer qualquer coisa de jeito.
Obrigado pela partilha Marilisa Mesquita ;)


Adraga na maré baixa

Esta vista da Adraga foi rabiscada a partir da Praia Grande em maré muito baixa, no verão. Só agora me lembrei dela e acabei-a.
Leonor Janeiro

Vamos desenhar com Marilisa Mesquita











Os carimbos da Marilisa

Os carimbos da Marilisa e os turistas curiosos a olharem para as múmias do Peru. Ontem no Museu do Carmo no Vamos desenhar com...


Tigre Branco!

Tigre branco, em Gianyar, Bali, Indonésia.

Vamos desenhar com...


Muito obrigada a todos os que ontem foram desenhar e carimbar comigo no Museu do Carmo!
Para mim foi uma tarde inesquecível! Adorei os vossos resultados, e espero que acima de tudo se tenham divertido!
Em Novembro, vamos ter oportunidade de escutar a Celeste Vaz Ferreira. Imperdível!

Vamos desenhar com Marilisa




 


Mais uma bela tarde passada no Museu do Carmo.

Aqui ficam os dois exercícios que a Marilisa nos propôs. No primeiro escolher os carimbos primeiro e em seguida desenhar aproveitando os carimbos. No segundo desenhar e depois colocar os carimbos.

Crepúsculo em Alcácer


Foi uma paragem breve no meio da viagem. O sol pôs-se alinhado com o Sado e, logo à seguir, fui buscar o caderno. Depressa percebi que nunca iria conseguir captar o momento, já que as cores crepusculares mudam a cada minuto.

Mini-Férias em Aveiro (4)

O dia terminou de novo no cais dos Bacalhoeiros, para desenhar um "Lugre" de 4 mastros que fez história, na pesca do bacalhau, nos mares da Gronelândia, o seu nome "ARGUS", comprado em 1939 na Holanda, fez todas as campanhas de pesca, até ser vendido em 1974, a uma empresa Canadense, que além de ter mudado o nome para "POLINÉSIA II", foi utilizado para fazer cruzeiros. Neste momento foi comprado por uma empresa Portuguesa de bacalhau, que o vai recuperar. Este Lugre é irmão do "CREOULA" e do "SANTA MARIA MANUELA", estes ainda a navegar.
E a viagem acabou, espero lá voltar pois muitos assuntos ficaram por tratar...

Lugre "ARGUS"

sábado, 21 de outubro de 2017



Uma latada de Outono no Seixal, Av. Dom Nuno Álvares Pereira/Praça 1º de Maio.

























































































Uma latada de Outono. Sketch / aguarela em diário gráfico, duas páginas, papel de algodão de 300gr .47x.17cm .  Caderno feito pela Marilisa Mesquita.




Jantar de Sushi


Forte da Graça


Quando entrei naquele forte pela primeira vez, a porta estava aberta, mas lá dentro não havia vivalma: eram baluartes, revelins e casernas que se degradavam. Mas agora, o quartel-general do Festival Traço, tem uma nova vida. Aqui, a tarde é escassa, apetece apreender cada ângulo deste edifício único. E não é só a escala que impressiona, é o próprio desenho da fortaleza. Visto de cima, tudo parece racional, numa simetria inegável à medida que passamos as várias portas de entrada, em direcção à Casa do Governador. Mas assim que nos afastamos desse raríssimo eixo de simetria, as mesmas paredes passam a ser labirínticas, um pouco sombrias até. Foi uma dessas vistas, que desafiam a simetria do forte, que pude contemplar a cidade, o aqueduto e o vizinho - e não menos imponente - Forte de Santa Luzia. Dizem estar Badajoz à vista, mas só vejo o horizonte azul da distância.

No pequeno leporelo que a Rosário me ofereceu





A festa das bandeiras foi um momento único na praça comunal de Assis. O desenho não vale nada,  mas eu gosto imenso dele.

Outubro, solarengo



(Aguarela, grafite, caneta caligráfica, vieux-chaine e lápis de cor)                                                                                                                                  «in situ»

Mini-Férias em Aveiro (3)

Essa noite fomos a uma esplanada petiscar, e começou a chuva de cinzas e o cheiro a queimado, foi uma noite horrível. No dia seguinte fomos em direção ao Farol de Aveiro na Barra, onde o desenhámos, e depois almoçar na Costa Nova (Rest. D. Fernando), onde depois de uma caldeirada de enguias, saiu um desenho das casas típicas da zona.


O Farol de Aveiro , na Barra.
As casas típicas da Costa Nova.

Acordar em Elvas


Para trás ficava o incrível jantar de sketchers, tendo o João Sequeira como impecável anfitrião. Já sob a luz branca e azul do dia, revelavam-se as ruas largas, entre hortas e jardins. Atrás do aqueduto, estende-se o Montado como pano de fundo.